LÁGRIMAS PURAS EM OLHOS PORNOGRÁFICOS (2001) - Delírio
7482
portfolio_page-template-default,single,single-portfolio_page,postid-7482,woocommerce-demo-store,ajax_fade,page_not_loaded,smooth_scroll,,qode-theme-ver-3.6,wpb-js-composer js-comp-ver-5.2,vc_responsive
 

LÁGRIMAS PURAS EM OLHOS PORNOGRÁFICOS (2001)

About This Project

Pornográficos…

 

Em síntese “Lágrimas Puras em Olhos Pornográficos” é a viagem de um herói moderno, urbano e artista, em busca de algo que ele não sabe muito bem o que é, mas imagina o que seja. Até encontrar o verdadeiro sentido de sua vida, todo homem tem que experimentar. A aventura do conhecimento é tão encantadora como dolorosa, mas necessária e quase sempre, surpreendente! Todo o objetivo da viagem de Joe, o protagonisra/herói é a busca de um pai desconhecido, mas o porto a alcançar é, como diz José Saramago em “O Conto da Ilha Desconhecida”, a descoberta de si mesmo.

 

Joe é um adolescente curitibano, apaixonado pelo cinema da boca do lixo paulista, que perde a mãe, suicida, e nunca conheceu o pai. Tudo que sabe é que o pai, motorista de caminhão, abandonou a família e foi embora pra São Paulo, quando sua mãe ainda estava grávida. Numa atitude impensada, após o enterro dela, parte de Curitiba para a grande megalópole, em busca da figura paterna. É uma investigação fadada ao fracasso já que não tem a menor pista do paradeiro de seu pai. Mas é nessa viagem imperfeita que Joe vai experimentar o rito de passagem do autoconhecimento. Da inocência à experiência, da ingenuidade à crua realidade. Mas é também da escuridão para a luz que ele vai dando sentido à sua sexualidade, à paixão pelo cinema e a aventura das drogas e o encontro com companheiros que vieram de outros cantos do Brasil e que se encontram em São Paulo mais ou menos com os mesmos objetivos. Vencer na vida! São Paulo não é, no caso, a foz, mas sim a encruzilhada de onde parte toda a felicidade possível.

 

O tempo do espetáculo é o atual e usa como linguagem diversas referências da cultura pop que vão pontuando os diversos “trabalhos” de Joe (como Hércules):  a arte de Jean Michel Basquiat, o cinema profundo de Orson Welles, a dança de Bob Fosse, a falsa superficialidade de  Woody Allen, a genialidade de Bernard Shaw, a poesia original e suavemente niilista de Cecília Meirelles e o cinema brasileiro das décadas de 70 e 80. Além de ícones da cultura do início do século XXI como Madonna, Amy Winehouse, Rufus Wainwright, Almodóvar e Nick Horby.

 

“Quero encontrar a ilha desconhecida. Quero saber quem eu sou quando nela estiver”.

 

Uma jornada acidentada e imperfeita, mas plena de emoções e prazer. Joe, em sua busca fracassada de um pai impossível, se descobre forte, aventureiro, criador e intenso. Um herói moderno.

Texto e Direção  EDSON BUENO

 

Elenco

FERNANDA MACHADO – (Luci)

ELDER DATRY – (Thiago)

ZECA CENOVICZ

CAIKE LUNA – (Nico)

JUSSARA BATISTA – (Silvia)

WAGNER CORRÊA – (Peter)

RANIERI GONZALEZ – (Luís)

ANDERSON FAGANELLO – (Joe)

 

Assistência de  Direção JOSE QUARESMA

Cenário e Adereços  PAULINHO MAIA

Figurinos e Adereços  PAULINHO MAIA

Iluminação  BETO BRUEL

Sonoplastia  MARCO NOVACK

Coreografia  RITA PAVÃO

Maquiagem  ÁLDICE LOPES

Fotografia  e Material Gráfico  CARLOS MARTINS

Projeções  LAURO BORGES

Captação e Edição de Vídeo  PAULO BISCAIA FILHO

Design Gráfico  ADRIANA ALEGRIA

Contra-regra  REGINALDO

Operação de Luz  VICTOR SABBAG

Operação de Som  MARCO NOVACK

Operação de Vídeo  FLÁVIO STREIT

Direção de Produção  TANIA ARAÚJO

Realização  GRUPO DELÍRIO CIA. DE TEATRO

 

Este espetáculo estreou no dia 10 de julho de 2001 na Casa Vermelha – Largo da Ordem – Curitiba/PR.

 

Agradecimento

Paulo Femandes, Danilo Avelleda, Ivy Goulart, Patrícia Vieira, Emerson Rechemberg, João Frederico Rickli, Dorvalino Faganello, Gabriel Dietrich, Celso Pirata, Carlos Lechinski, Beto Meira, Gisa Gutervil, Mareio Mattana, Guta Borges, íntima Cia. de Teatro, Ronald Lima, A.C.T., Luis Mello, Lú Rufalco, Marcelo Marchioro e Rochitec.

Troféu Gralha Azul

  • Ator Revelação – Elder Gatelly 
  • Melhor Maquiagem – Áldice Lopes

 

Troféu Poty Lazarotto

  • Melhor Espetáculo
  • Melhor Diretor – Edson Bueno
  • Melhor Autor – Edson Bueno
  • Melhor Ator Coadjuvante – Ranieri Gonzalez
  • Ator Revelação – Elder Gatelly

Date

2001

Category

Arte, Era de Prata

Esta é uma loja de demonstração para fins de teste - As compras realizadas não são válidas. Dispensar