TANGOS – PORTAS DO CÉU (2006) - Delírio
8011
portfolio_page-template-default,single,single-portfolio_page,postid-8011,woocommerce-demo-store,ajax_fade,page_not_loaded,smooth_scroll,,qode-theme-ver-3.6,wpb-js-composer js-comp-ver-5.2,vc_responsive
 

TANGOS – PORTAS DO CÉU (2006)

About This Project

Encenar Julio Cortázar é perseguir a compreensão da vida por algum caminho que é o mais absoluto mistério. Julio Cortázar é sempre um mistério. Escritor minuncioso que tem a incrível capacidade dc transformar o cotidiano em espanto, Cortázar persegue o lado oculto dc toda criatura humana e toma para si a matéria prima para criar a sua literatura. Em sua obra nada é o que parece, mas tudo é uma pista para que se entenda o que se esconde num lugar não visível e muito, muito profundo. E de que mais a poesia e o teatro precisam?

 

Cortázar escreveu o conto As Portas do Céu em 1951, que foi publicado no Brasil numa coletânea de contos (chamados “fantásticos”!), que tinha como título “Bestiário”. E um conto cheio dc sugestões, obsessões, segredos, sonhos e, principalmente, mistério. Seus dos outros como se não conseguissem viver sozinhos. É uma história de elegância e vulgaridade que pede para ser desvendada, porque nada acontece à luz do dia c tudo é apenas reflexo do que ocorre na mais profunda intimidade. Intimidade esta que é tão secreta que acontece longe até do público! Mistério e sombras, obsessão e desejos, todos travestidos de lógica e elegância: eis aí a receita dc As Portas do Céu. Dois amigos envolvidos por uma dançarina de tango! Uma mulher simples e por isso mesmo enigmática. Nada é tão simples e tudo é enigma! As Portas do Céu é mais um jogo. E assim a própria peça – que enceno com perplesidade! é também um enigma que precisa ser decifrado pelo público.

 

TANGOS – Portas do Céu é o que se pode chamar deliciosamente de arte misteriosa. Momento que nos permitimos aventuras pelo desconhecido onde passos de artistas se lançam num labirinto de sentimentos contraditórios. Este espetáculo é um convite ao mistério de Julio Cortázar e também ao sonho (ou seria pesadelo?) do teatro.

Eu sou um bloco de texto. Clique no botão Editar (Lápis) para alterar o conteúdo deste elemento.

Eu sou um bloco de texto. Clique no botão Editar (Lápis) para alterar o conteúdo deste elemento.

Eu sou um bloco de texto. Clique no botão Editar (Lápis) para alterar o conteúdo deste elemento.

Date

2001

Category

Arte, Era de Prata

Esta é uma loja de demonstração para fins de teste - As compras realizadas não são válidas. Dispensar